A fase de grupos da Copa Libertadores começa a ser disputada nesta terça-feira (2), em meio às finais dos campeonatos estaduais. As disputas paralelas causam dúvidas aos treinadores sobre a utilização de força máxima na estreia ou preservação dos titulares para as decisões regionais. Grêmio, Palmeiras, Flamengo e Atlético Mineiro vivem esse dilema e se abraçam no retrospecto positivo diante dos rivais sul-americanos e também na força de seus elencos para cogitarem o luxo de poupar titulares na estreia.

De volta à Copa Libertadores após duas temporadas, o Grêmio não escondeu sua prioridade e mandou uma equipe alternativa para a estreia em La Paz para encarar o The Strongest. A longa viagem e a partida desgastante na altitude facilitou a decisão de Renato Gaúcho em poupar os titulares para o duelo de volta da final do Gauchão.

Para o jogo contra o The Strongest, apenas o lateral Fábio ficará à disposição do treinador, entre os jogadores que atuaram na partida contra o Juventude na ida da decisão do Gauchão. O defensor jogou improvisado no lado esquerdo com a suspensão de Mayk e não será titular na partida de volta, por isso viajou para a Bolívia.

A dificuldade natural dos adversários em vencer na altitude e o duelo seguinte em casa contra o Huachipato também são fatores importantes para que o Tricolor não forçasse a utilização de titulares na estreia. 

Situação parecida também vive o Palmeiras, que estreia longe de casa e fará a preservação de alguns jogadores. Embora exista a presença de titulares na delegação, Abel Ferreira utilizará a partida contra o San Lorenzo, na Argentina, para recuperar atletas para a segunda partida da final do Paulistão, diante do Santos.

Endrick, Richard Ríos e Murilo, que estiveram à serviço das suas seleções na última semana, sequer viajaram para Buenos Aires. Raphael Veiga também é forte candidato a entrar no rodízio do elenco e iniciar a partida no banco de reservas.

O retrospecto recente do tricampeão da Libertadores deixa Abel Ferreira e a torcida palestrina confortáveis para a utilização de um time alternativo na estreia. Nas últimas sete edições, o Palmeiras sobrou na fase de grupos e não encontrou dificuldade para avançar como líder, brigando pelas melhores campanhas da primeira fase. Como na temporada passada, quando poupou titulares na primeira rodada contra o Bolívar, visando a decisão diante o Água Santa. Apesar da derrota na Bolívia, o time emplacou cinco vitórias consecutivas, terminando na primeira colocação isolada da chave.

Flamengo e Atlético vivem situações diferentes

A grande exceção entre os brasileiros que dividem as atenções entre Libertadores e estadual é o Flamengo. O Rubro-Negro colocou uma mão na taça logo na partida de ida e tem o “luxo” de concentrar atenções totais na competição continental. 

Na entrevista coletiva após a vitória por 3 a 0 na final do Cariocão, Tite confirmou a presença de todos os titulares na Colômbia, contra o Millonários. O treinador do Rubro-Negro descartou a ideia de preservar jogadores e também garantiu a presença do time principal no jogo de volta contra o Nova Iguaçu.

O zagueiro Fabrício Bruno, entretanto, pode ser uma exceção. O defensor vive situação parecida com os “selecionáveis” do Palmeiras e pelo desgaste das viagens e das partidas seguidas pode ser poupado contra o Millionarios. 

Diferente do Flamengo, o Atlético Mineiro não tem a decisão encaminhada no estadual, mas deve ter a utilização de força máxima na primeira rodada da Libertadores. Ainda sem contar com o técnico recém-contratado Gabriel Milito, que cumpre pena por expulsão em sua última partida no comando do Argentinos Juniors, o Galo vive uma situação complicada de logística enfrentando uma viagem longa para a Venezuela.

Entre os quatro brasileiros que disputam as duas frentes, o time mineiro é o único a entrar em campo na quinta-feira (4). O calendário apertado obriga o Galo a entrar em campo na decisão contra o Cruzeiro apenas dois dias após a partida contra o Caracas.

No entanto, o Atlético é o time que terá pela frente no estadual uma equipe que também terá compromisso no meio de semana. O Cruzeiro estreia na Copa Sul-Americana, quinta-feira, diante da Universidad Católica, no Equador.

Enquanto Atlético, Grêmio, Flamengo e Palmeiras traçam estratégias para cumprir o calendário apertado, outro três brasileiros se preparam exclusivamente para Libertadores. São Paulo, Botafogo e Fluminense, eliminados precocemente dos estaduais, aproveitam a folga na agenda para chegarem 100% nas suas estreias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *