Érika se despede da Seleção Brasileira de basquete feminino após a eliminação no Pré-Olímpico em Belém

Wander Roberto/Fiba

A dura eliminação do Brasil no Pré-Olímpico de basquete feminino na derrota de 73 a 71 para a Alemanha marcou a despedida de Érika. Aos 41 anos, a pivô e capitã anunciou a aposentadoria da seleção brasileira. O sonho dela era fazer isso em Paris, mas foi obrigada a dizer adeus em Belém.

+ SIGA O OTD NO YOUTUBETWITTERINSTAGRAMTIK TOK E FACEBOOK

“Não tenho nem palavras para mensurar o amor com que eu sempre vesti essa camiseta e poder passar todos os perrengues que eu passei com as meninas. Foram 25 anos que, seu eu pudesse voltar para trás, eu faria tudo novamente”, afirmou a jogadora às lágrimas na entrevista coletiva depois do jogo diante da Alemanha. “Estou muito feliz em poder ter jogado este Pré-Olímpico, mas meu sonho era lá em Paris. Infelizmente não deu, mas valeu muito a pena ter passado todos esses dias aqui”, agradeceu.

Érika vai jogar a LBF

A jogadora ainda não vai abandonar a carreira. “Meu ciclo na seleção brasileira infelizmente se fecha, mas eu ainda tenho uma LBF (Liga de Basquete Feminino) pela frente”, explicou a atleta, que prometeu continuar ajudando as meninas da seleção brasileira o máximo que puder. Ela também revelou seus planos pessoais.

“Eu pretendo ser mãe, como tudo mundo sabe. Se não, meu marido me larga”, brincou. “Coitado! Às vezes só vejo meu marido em hotéis ou em aeroportos”, completou.

Érika ainda deu sua opinião sobre o futuro da seleção brasileira. “Estou super feliz e contente pelo desempenho das meninas. Nós jogamos muito, trabalhamos muito para chegar até aqui só que, infelizmente, sabíamos da dificuldade que seria enfrentar essas equipes e não foi o que nós treinamos, que nós desejamos, o que nós queríamos por ter treinado tanto, mas parabenizo toda a comissão, todas as meninas por terem jogado de igual para igual porque, se fosse uns anos atrás, a gente teria tomado de muito. Só que nós vimos que podemos, nós somos capazes de jogar de igual para igual com todo mundo”.

Carreira vitoriosa

Em 25 anos pela seleção brasileira, Érika foi três vezes medalhista em Jogos Pan-Americanos. Foi bronze em Guadalajara-2011 e conquistou o bicampeonato em Lima-2019 e Santiago-2023. Além disso, foi quatro vezes campeã da AmeriCup em 2001, 2003, 2011 e 2023.

Em clubes, o currículo de Érika é absurdo. Na WNBA, ela foi campeã em 2002 pelo Los Angeles Sparks e foi escolhida três vezes para o All-Star Game (2009, 2013 e 2014). Na Europa, foi campeã da Euroliga pelo Perfumerias Avenida, da Espanha, em 2011. Além disso, foi oito vezes campeã espanhola e campeã húngara pelo MiZo Pécs em 2003.

Fundador e diretor de conteúdo do Olimpíada Todo Dia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *