De Luca Ioni

Preso de maneira preventiva e acusado de ter estuprado uma mulher de 23 anos, a situação de Daniel Alves está perto de um desfecho. O brasileiro não será solto em breve, uma vez que seu julgamento acontece em duas semanas, na Espanha.

O atleta tenta provar sua inocência de diversas maneiras, mas o caso é complicado para ele. Agora, a defesa de Daniel contará com a ajuda de Joana Sanz, ex-esposa do brasileiro, para confirmar a versão apresentada há pouco tempo à Justiça de Barcelona.

Depois de negar relaçõe sexuais, admitir posteriormente que o sexo foi feito de maneir conseusal, Daniel Alves traçou um novo plano: alegar que estava embriagado na noite do crime e não se lembra do ocorrido. A defesa da vítima pede uma pena máxima de 12 anos, enquanto o Ministério Público solicitou nove anos de prisão. Tudo pode mudar a depender do julgamento.

Joana Sanz pode ajudar Daniel Alves

De acordo com informações divulgadas pelo jornal espanhol “El Periódico”, a modelo dirá que recebeu algumas chamadas do brasileiro, que admitiu que de fato a traiu, mas só fez isso pois havia ingerido bebidas alcoólicas e estava embriagado.

O fato de estar sob efeitos de álcool pode ser um fator atenuante na pena, ou seja, poderá ficar menos tempo na prisão dependendo da interpretação do juiz no julgamento, que está marcado para acontecer no dia 5 de fevereiro, em Barcelona, mesma cidade do local do ocorrido (boate Sutton). Os advogados de Daniel consideram uma missão difícil conseguir a liberdade, mas tentarão fazer de tudo para reduzir o tempo de pena.

Jornalista de 22 anos formado pela ESPM-SP e atual redator na Wecel. Experiência em produção de podcasts, programas de áudio/rádio e redação. Acima de tudo, sou um amante do futebol e fanático pelo São Paulo Futebol Clube, tendo Rogério Ceni como meu maior ídolo no esporte. Vamos, São Paulo!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *